ANATOMIA E FISIOLOGIA DA EXCITAÇÃO SEXUAL

Este capítulo descreve o comportamento biológico dos órgãos genitais masculino e feminino em três situações: no preparo para a cópula ou coito, no orgasmo e na volta ao repouso. Esta descrição será restrita à anatomia e fisiologia do ato porque homem e mulher podem ter um ato sexual sem qualquer envolvimento a não ser o sexo, embora essa não seja a regra. O mais freqüente é que o emocional também participe da relação sexual dos seres humanos.

EXCITACÃO SEXUAL E ENVOLVIMENTO AFETlVO

Muitas pessoas acreditam que o ato sexual humano seja melhor e mais completo quando há envolvimento do afeto, do amor, do espírito das pessoas. em uma união que não seja apenas carnal. Nos animais o ato sexual é apenas instinto. No ser humano, que é provido de inteligência - e, como muitos crêem, também de espírito ou alma - além da instintiva união carnal com tudo de bom que nela existe, o par, freqüentemente, também se envolve emocionalmente. Nesses casos o ato sexual se torna melhor e mais completo por ser mesclado de sentimentos.

Nossos sentimentos são muito nossos: eles nos pertencem e ninguém pode mudá-los. Sentir, querer bem, amar, pensar, desejar e lembrar são direitos exclusivos do indivíduo. O que a pessoa sente, pensa e deseja lhe pertence - com exclusividade. No entanto, o indivíduo aprende, ensina, cria, modifica, isto é, o ser humano sabe. E o que ele sabe pertence ao mundo.

Sentir e saber são privilégios da espécie humana. Esses privilégios nos conferem o direito de decisão, de escolha do chamado livre-arbítrio. Assim, nós decidimos que caminhos queremos trilhar, com quem queremos "transar", com que pessoa queremos partilhar nossa vida e nossa privacidade etc. Essa decisão tomada a dois é uma escolha: e cada um tem o direito e o privilégio de escolher o seu parceiro, assim como tem o direito de momentos a dois ou de vida a dois. Tudo com absoluta privacidade.

A vida particular e os sentimentos de cada pessoa pertencem a ela, não importa a posição que ela ocupe na sociedade, nem a função que exerça. Considerando-se a função que o indivíduo exerce, o que quer que ele saiba deve ser informado aos outros porque os seus conhecimentos, estes sim, pertencem não a ele mas aos demais.

EXCITAÇÃO SEXUAL

Quando o homem não está sexualmente excitado seu pênis é um membro flácido. Quando a mulher não está sexualmente excitada sua vagina é seca e fechada.

A excitação sexual prepara os órgãos genitais para o ato sexual através de transformações na forma e na função e provoca também reações vasculares, neurológicas, musculares e hormonais que afetam o funcionamento do corpo todo.

No homem excitado os corpos cavernosos do pênis se enchem de sangue provocando sua dilatação e ereção. Na mulher, ao mesmo tempo em que ocorre a lubrificação da vagina, o clitóris se dilata.

FASES DA RESPOSTA SEXUAL

Segundo William H. Masters e Virginia E. Johnson, casal americano que pesquisou e escreveu muito sobre sexo, a resposta sexual da espécie humana passa por quatro fases ou estágios sucessivos: excitação, platô, orgasmo e resolução.

1. Excitação. Nesta fase há um ímpeto de sensações eróticas que provocam ereção no homem e lubrificação da vagina na mulher. Em ambos, as manifestações de tensão sexual são generalizadas com congestão dos vasos, respiração ofegante e aumento das pulsações e da pressão arterial.

No homem o pênis fica ereto, o escroto se dilata, a bolsa escrotal fica maior, mais lisa e os testículos, começam a se elevar. Na mulher é comum haver rubor de pele; os seios intumescem e os mamilos ficam eretos. A medida que a excitação cresce o sangue alcança as paredes da vagina produzindo uma secreção que lubrifica totalmente as paredes vaginais. O clitóris fica ereto, o útero aumenta de volume, inicia a subida e a vagina se distende para receber o pênis.

2. Platô. Esta fase é um estado mais avançado da excitação, ocorre pouco antes do orgasmo.

No homem os testículos dobram de volume e também se elevam: o pênis fica distendido retesado ao máximo do seu tamanho as glândulas de Cowper expelem duas ou três gotas de um fluido claro, como um muco.

Na mulher, devido à vasocongestão, os pequenos lábios intumescem e passam do vermelho vivo ao bordô; a parte final da vagina se distende e o útero termina sua subida do assoalho pélvico.

3. ORGASMO. É considerado o prazer mais intenso das sensações sexuais. O sêmen jorra do pênis ereto, em três a sete ejaculações, em intervalos de pouco menos de um segundo. Imediatamente após o orgasmo acontecem contrações ritmicas da uretra, dos músculos da raiz do pênis e dos músculos da região do períneo.

Algumas vezes homens muito jovens mantêm a ereção e após a ejaculação são capazes de ejacular uma segunda vez. Mas geralmente existe um espaço de tempo entre duas ereções e, à medida que o homem envelhece, esse tempo é cada vez maior. Não é comum que o homem consiga uma excitação sexual logo após o orgasmo.

A mulher pode chegar ao orgasmo mesmo sem a penetração do pênis, bastando que haja estimulaação e excitação do clitóris. excitação que pode acontecer de várias formas. O orgasmo feminino também se dá através de rápidas contrações rítmicas dos músculos circunvaginais e do períneo. As características do orgasmo são as mesmas em todas as mulheres. Diferente do homem, após um orgasmo a mulher jamais é fisicamente indiferente a um outro.

Logo após ter tido orgasmo, e ainda na fase de resolução, se a mulher se sentir bem e não tiver inibição, da pode novamente ser excitada para um novo orgasmo, e mesmo para outros mais, até que esteja fisicamente exausta e não queira mais ser estimulada .

4. Resolução. É a última das fases do ciclo da resposta sexual: nela o corpo volta ao seu estado normal. As pulsações, a pressão arterial, a respiração e a vascularização da pele, que haviam aumentado de intensidade para o ato sexual, voltam ao normal.

Nos homens mais jovens os testículos descem imediatamente à posição, e o pênis volta vagarosamente ao seu estado flácido através de dois estágios. No primeiro estágio, logo após o orgasmo, o pênis reduz-se aproximadamente à metade do tamanho que tinha alcançado porque os corpos cavernosos se esvaziam.

No segundo estágio, em cerca de 30 minutos, o pênis volta ao seu tamanho normal em estado de repouso porque o corpo esponjoso e a glande também se esvaziam. No homem mais velho esse retorno é bem mais rápido, ocorrendo em poucos minutos.

A fase de resolução, na mulher, têm início com a volta do clitóris à posição normal em 5 a 10 segundos. Os pequenos lábios recuperam a coloração natural em 10 a 15 segundos: a vagina leva cerca de 10 a 15 minutos para voltar ao seu estado de repouso, o útero e o colo do útero, em no máximo 30 minutos, também retornam às suas posições normais.

Ruth de G. Duarte