CAPÍTULO 6: MEDIUNIDADE
NA INFÂNCIA

"Em que idade se pode ocupar, sem inconveniente, de mediunidade?

- Não há idade precisa, tudo dependendo inteiramente do desenvolvimento físico e, ainda mais do desenvolvimento moral. Há crianças de doze anos a quem tal coisa afetará menos do que a algumas pessoas já feitas. Falo da mediunidade em geral; porém a de efeitos físicos é mais fatigante para o corpo; a da escrita tem outro inconveniente, derivado da inexperiência da criança, dado o caso de ela querer entregar-se a sós ao exercício da sua faculdade e fazer disso um brinquedo." Allan Kardec "O Livro dos Médiuns" - Capítulo XVIII, item 221 - questão 8.

Não há uma idade determinada ou que seja melhor para a eclosão da mediunidade. Ela pode manifestar-se em crianças, adolescentes, em pessoas adultas ou com mais idade. Entretanto, é mais difícil que a faculdade se apresente em indivíduos idosos pelas próprias e naturais limitações orgânicas e psíquicas.

Inicialmente, mencionaremos nesta abordagem o aparecimento da mediunidade espontânea e sem qualquer sofrimento para a criança.

Na fase infantil, o desabrochar da mediunidade é, quase sempre, tão natural quannto outros tipos de aprendizagem que vão acontecendo em todas as etapas do desenvolvimento da criança, visto terem estas relativa facilidade de perceber a presença dos espíritos e com eles manter um convívio fácil e espontâneo.

Por que isso ocorre com tal naturalidade? O Espiritismo nos esclarece que o processo reencarnatório prolonga-se até os sete anos de idade. Nesses primeiros anos de vida física o espírito, na fase infantil, mantém vínculos bastante estreitos e mais ou menos intensos com o mundo espiritual, a sua pátria de origem. A presença de espíritos amigos, do seu espírito protetor é mais próxima, no intuito de sustentá-lo nesse recomeço. Pode-se inferir também que durante o sono, o espírito que está envergando a nova forma física esteja mais constantemente em contato com o plano espiritual de onde procede.

Entende-se, por via de conseqüência, que as companhias espirituais do recém-reencarnado dependem de suas ligações com espíritos dos mais diversos patamares evolutivos. Conforme vimos páginas atrás, mesmo no caso em que o reencarnante mantenha laços de afinidade com espíritos inferiores, isto não descarta a presença, ainda que um pouco mais distanciada, do seu espírito protetor, o denominado anjo-de-guarda. É importante relembrar que toda reencarnação visa ao progresso do espírito, pois ninguém renasce para regredir. Tais vínculos, todavia, vão se enfraquecendo quanto mais transcorrem os anos. A partir do sétimo ano de vida terrena, o espírito gradualmente se torna mais consciente de suas potencialidades e, na adolescência, "o Espírito retoma a natureza que lhe é própria e se mostra qual era." (questão 385 de "O Livro dos Espíritos")

Em geral, pode-se dizer que a criança apresenta indícios de mediunidade quando começa a mencionar a presença, no lar, de pessoas que ninguém percebe, a não ser ela própria. Bastante comum é a presença do amiguinho invisível com o qual conversa e brinca. Às vezes diz estar vendo pessoas idosas, e alguns pais apresentam fotos de familiares desencarnados entre os quais a criança identifica um em particular que, para surpresa da família, vem a ser o avô ou avó ou outro parente qualquer.

No livro "O mundo da criança", as autoras abordam essa questão do amiguinho invisível, mencionando que "cerca de 15 a 30% das crianças, entre 3 a 10 anos têm companheiros imaginários. Eles surgem na vida da criança depois de 2 anos e meio de idade e saem quando a criança vai para a escola. A pessoa imaginária parece real para a criança que fala e brinca com ela. "(Diane, E. Papalia, O mundo da criança)

Para a Psicologia, este é um fato natural, fruto da imaginação infantil, que "cria" um amigo para brincar e lhe fazer companhia. Geralmente, são crianças que se sentem sozinhas, seja porque os pais trabalham fora, seja por carência afetiva, por não receberem atenção e carinho dos pais.

Arthur Jersild, por sua vez, explica, em seu livro "Psicologia da criança", que, "quando um garoto brinca abertamente com um companheiro e lida claramente por certo período de tempo, com uma criatura de características estáveis e nome definido, pouca dúvida há de que ele possui um companheiro imaginário. "

E acrescenta:

"Os companheiros imaginários, juntamente com outras criações da imaginação, aparecem nas crianças com uma ampla variedade de traços de personalidade. Não podemos supor que a existência de um companheiro imaginário seja, em si mesma sinal de uma tendência quer sadia, quer doentia, no desenvolvimento da criança". (Arthur T. Jersild, Psicologia da criança)

Mas nem sempre a reação da família é tranqüila diante deste tipo de acontecimento. Muitos pais, por falta de informação, ficam preocupados, aflitos, supondo que o filho ou a filha sejam portadores de algum distúrbio psiquiátrico. Inúmeros, porém, são os casos de mediunidade na infância e somente a Doutrina Espírita lança luz sobre esta ocorrência na vida da criança. Nem todas as crianças, porém, constatam a existência de um amiguinho ou amiguinha invisíveis. Isto acontece com aquelas que apresentam uma certa predisposição mediúnica. Todavia, somente em algumas destas é que a mediunidade irá eclodir mais adiante em suas vidas.

Vamos levantar agora a cortina que encobre alguns desses casos, a fim de contribuirmos para o esclarecimento daqueles que nos lêem e que possam estar vivenciando uma experiência semelhante.

No ano de 1849, dia 20 de novembro, nasceu em Londres uma menina que recebeu o nome de Elisabeth. Seus pais, Jane e George P., este capitão de um navio, obrigado por sua profissão a constantes viagens.

Desde muito pequena, Elisabeth d'Esperance, como seria conhecida, começou a ter visões no casarão onde morava. As "pessoas" estavam em toda parte, nos grandes quartos vazios, e circulavam como se ali morassem. Sua mãe era portadora de uma doença que a obrigava a permanecer por dias e dias no leito e as criadas davam-lhe pouca atenção. Por mencionar a presença dessas "pessoas", passou a ser considerada uma menina esquisita, estranha e, como os fatos de vidência se tornassem mais comuns, chegou a ser castigada, até que um dia sua mãe, suspeitando de sua sanidade mental, requisitou a presença de um médico para examinar a filha.

O médico ouviu atentamente o relato da menina e lhe disse que tais coisas só aconteciam com pessoas loucas. Isto lhe causou um medo muito grande, julgando que poderia realmente ser louca.

Escrevendo, mais tarde, sobre sua infância, Elisabeth teve ocasião de registrar a constante presença do fantasma de uma velha senhora, que via com tal nitidez, que pode desenhar-lhe a fisionomia, conforme consta de seu livro "Shadow Land" ("No País das Sombras". A senhora em questão surgia com um vestido preto, tendo um xale de renda branca sobre os ombros, amarrado à altura do peito e uma touca branca que escondia parte dos cabelos grisalhos. Ela permanecia sempre num certo quarto e Elisabeth a denominava de "My shadow lady".

Aos quatorze anos, chegou à conclusão que tudo aquilo era obra de Satanás e, diante das visões, punha-se de joelhos a rezar. Tão grande foi a angústia, que ficou muito abatida, magra e pálida. O pai, ao retornar de uma de suas viagens, preocupou-se, vendo o seu estado e resolveu que a filha necessitava de ares novos, levando-a então a uma viagem ao Mediterrâneo.

A viagem trouxe grande alegria a Elisabeth: tudo era novo e belo, os fantasmas desapareceram, a saúde restabelecida e o fato de estar ao lado do pai era motivo de satisfação e de tranqüilidade. Certo dia, estando no tombadilho com o tenente N ... , avistou um navio no horizonte. Comentando a respeito, para sua surpresa, o tenente disse que não via o navio. Elisabeth ficou muito aflita, pois ele vinha em direção à proa. Alarmada, começou a gritar que iriam bater e, para seu horror, o grande navio se aproximou e atravessou o deles! Com o susto, chorando apavorada, Elisabeth teve que ser recolhida ao quarto. Seu pai investigou o fato e constatou que ninguém viu o navio que ela mencionara.

Durante a adolescência, os fantasmas deram uma trégua e ela passou por certa tranqüilidade. O tempo transcorreu e Elisabeth, já adulta, resolveu consultar uma ledora da "buena-dicha". Esta, confirmando as visões, disse-lhe: "- Teus olhos vêem coisas ocultas para os outros." Falou-lhe depois do seu casamento, que aconteceria dali a dois anos, e muitas outras coisas. Tudo o que disse se confirmou.

Elisabeth d'Esperance tornou-se um dos mais importantes médiuns que contribuíram para o advento do Espiritismo. Era portadora de vários tipos de mediunidade, entre os quais citamos: efeitos físicos, psicografia, vidência, materializações, transportes, pinturas mediúnicas, etc. Suas faculdades mediúnicas foram pesquisadas por eminentes estudiosos: os fenômenos obtidos por seu intermédio foram sempre comprovados, visto que a médium se destacava pela honestidade, pela ética e pelo desejo de colaborar para que esta faculdade notável que é a mediunidade se tornasse mais conhecida e aceita pelos seres humanos Elisabeth escreveu o livro acima citado, "No País das Sombras", relatando sua vida e suas experiências mediúnicas, o qual até hoje é muito apreciado e estudado no meio espírita. Ela desencarnou no dia 20 de julho de 1918.

A mediunidade também ocorreu cedo na vida de Divaldo Franco, notável médium e orador espírita, de renome internacional. Ele próprio relata os episódios iniciais de seu intercâmbio com o mundo dos espíritos.

Por volta de seus quatro ou cinco anos, já estava recebendo recados espirituais, a princípio de sua avó, Maria Senhorinha, sem ter idéia de quem era e supondo ser uma pessoa como todas as outras. Ela pediu-lhe que desse um recado a Anna - mãe de Divaldo. Obediente, o menino deu o recado, sem entender a razão da surpresa causada pela menção do nome. É que D. Anna perdera a mãe quando do seu parto, portanto nem chegara a conhecê-la e muito menos Divaldo, que nem sabia tratar-se de sua própria avó. Para que não houvesse dúvida alguma, o menino descreveu a "pessoa" com todos os detalhes, o que logo em seguida foi confirmado por uma tia, Edwiges, que disse emocionada:

- Anna, é mamãe!

Daí em diante, os fenômenos mediúnicos se tornaram constantes na vida de Divaldo. Por essa época, ele passou a ter a companhia de um menino e, juntos, passavam horas brincando. Era um indiozinho e se chamava Jaguaruçu, sendo, como se pode deduzir, invisível às demais pessoas.

A mesma precocidade mediúnica surgiu na vida de Chico Xavier, o maior médium psicógrafo de que se tem notícia, que, aos quatro anos, conversava com sua mãe, desencarnada.

Apraz-nos mencionar ainda a médium Yvonne do Amaral Pereira.

A mediunidade surgiu muito cedo na vida de Yvonne. Segundo depoimento feito por ela e registrado no livro "Recordações da Mediunidade", ainda na primeira infância, algumas faculdades se apresentaram, como a vidência, a audição e o desdobramento do perispírito. Aos 4 anos, já se comunicava com espíritos desencarnados, via-os e falava com eles, supondo que fossem seres humanos comuns. Entre os 14 e 16 anos, os fenômenos mediúnicos se acentuaram e o convívio com os espíritos era freqüente e natural. Uma das características de sua mediunidade era a da lembrança espontânea de vidas passadas, que ela, em desdobramento, recordava como também assistia a cenas do pretérito, tendo ao seu lado espíritos amigos que a orientavam, os quais eram igualmente participantes das mesmas cenas. Tendo sido suicida em anteriores existências, necessitava guardar viva recordação dos sofrimentos decorrentes do fato de pôr termo à vida física. Yvonne cumpriu fielmente a sua missão, tendo sido por longos anos excelente médium, cuja vida foi toda dedicada à Doutrina Espírita, ao bem e à paz.

Nesses, exemplos citados, verificamos que a faculdade mediúnica surgida na infância se desdobrou em tarefas específicas ao longo da vida de cada um. Entretanto, na maioria dos casos, isto não acontece, visto que a faculdade como que se vai esmaecendo, apagando, com o passar dos anos. Isto quer dizer que nem todas as crianças que apresentem indícios de mediunidade terão compromissos nesta área, na idade adulta.

Hermínio Miranda explica com muita clareza este aspecto:

"Não é sempre que tais faculdades, em crianças, têm o desdobramento previsto nesta ou naquela forma de mediunidade. Como as recordações espontâneas de vidas passadas podem apagar-se, aí pelos dez anos de idade. Nem todas as pessoas dotadas de faculdades mediúnicas têm, necessariamente, tarefas especificas neste campo, ou seja, nem sempre estão programadas para o exercício ativo e pleno no intercâmbio regular entre os espíritos e as pessoas encarnadas". (Herminio C. Miranda, Nossos filhos são espíritos)

Suely C. Schubert