20ª. AULA
AS FRAUDES ESPÍRITAS

1 - Parte A - AS FRAUDES ESPÍRITAS

Fraude significa burla, engano, logro, falsificação, adulteração, ação praticada de má-fé.

O fraudulento é aquele que faz planos enganando a outrem, fazendo parecer verdadeiro algo que é falso; é um impostor.

Nos trabalhos fraudulentos onde existem fenômenos que se dizem espíritas, médiuns despreparados burlam a boa-fé de alguns crentes, usando de falsidade.

Muitos médiuns, querendo chamar a atenção dos assistidos, provocam efeitos físicos ou intelectuais com o objetivo de explorar materialmente, obtendo vantagens pessoais.

Kardec em "O Livro dos Médiuns"- cap. XXVIII, item 314, comenta "Os que não admitem a realidade das manifestações físicas atribuem à fraude os efeitos produzidos".

"Existem prestidigitadores de prodigiosa habilidade." Atualmente em todos os tipos de mediunidade, encontramos aqueles que por falta de conhecimento, orgulho, vaidade ou ambição, se envolvem em fraudes.

As fraudes podem ser classificadas em dois grupos:

1° FRAUDES CONSCIENTES: A responsabilidade é do médium, pois tem o conhecimento da fraude.

2° FRAUDES INSCONSCIENTES: São enganos provocados e dirigidos por Espíritos obsessores, ou fascinadores, ou mesmo por encarnados que usufruem da vaidade ou ambição do médium que se deixa envolver por forças negativas, segundo sua sintonia, pois tudo é programado, planejado.

Os fraudulentos são médiuns espertalhões, que exploram a ignorância e a boa-fé dos consulentes, utilizando processos mágicos de prestidigitação e de ilüsionismo, lucrando materialmente com as formas de enganar.

Comumente as fraudes estão relacionadas aos fenômenos de efeitos físicos, tais como: transporte, materialização, transfiguração, mas também a efeitos intelectuais como psicofonia, psicografia, vidência, etc.

O conhecimento do Espiritismo é a melhor defesa contra a fraude. Participando das Escolas de Educação Mediúnica, o aluno é conscientizado acerca do processo dos fenômenos mediúnicos.

Em O Livro dos Médiuns, 2.a Parte, cap. XXVIII, item 316, lemos: "Em tudo, as pessoas mais facilmente enganáveis são as que não pertencem ao ofício. O mesmo se dá com o Espiritismo. As que não o conhecem se deixam facilmente iludir pelas aparências, ao passo que um prévio e atento estudo, não só das causas dos fenômenos, mas também das condições normais em que eles podem ser produzidos, as inicia no assunto e lhes fornece, assim, os meios de reconhecer a fraude, se ela existir".

A melhor garantia contra é a moralidade, o estudo e o desinteresse de qualquer coisa material por parte do médium.

Bibliografia

KARDEC, Allan- O Livro dos Médiuns, 2ª. Parte, cap. XXVIll

2 - Parte B - o HOMEM NO MUNDO

Constitui clamoroso erro o homem viver no mundo isolado ou enclausurado, julgando, assim, evitar as contaminações nele prevalecentes. Quem assim procede desconhece que o verdadeiro mérito consiste em viver em contato com todas as situações que o mundo oferece sem, entretanto, deixar-se atingir por aquelas que são negativas para o seu aprimoramento moral e espiritual.

Jesus Cristo representa um modelo para toda a Humanidade. Ele desempenhou o seu sublime Messiado, defrontando-se com pecadores de todos os matizes, tendo, então, a oportunidade de lhes ensinar o caminho mais curto para atingirem a reforma interior, através de preceitos altamente consoladores e misericordiosos.

O homem deve purificar seus sentimentos, não permitindo jamais que em sua mente permaneçam pensamentos mundanos ou fúteis, ficando, assim, a salvo das imoralidades e dos desregramentos, que geralmente conduzem ao descalabro espiritual.

A perfeição do Espírito é conseguida principalmente tendo por esteio "a prática da caridade sem limitações, cabendo aqui salientar que os deveres da caridade abrangem todas as posições sociais, desde as mais ínfimas até as mais elevadas".

lsolando-se do mundo, o homem perde todas as oportunidades de exercer a caridade, pois somente num contato mais estreito com seus semelhantes, no decurso dos duros embates da vida terrena, ele encontra meios, encontra modos de praticá-la. Aquele que se enclausura repele, voluntariamente, o mais eficiente e poderoso meio de conquistar a perfeição, pois, pensando unicamente em si, o egoísmo avassala o seu coração" e ele se torna inapto para conquistas mais relevantes, capazes de apressar a sua caminhada evolutiva rumo ao Criador de todas as coisas. A prática das virtudes santificantes enobrece e eleva os Espíritos, preparando-os para o acesso aos Planos Superiores da Espiritualidade. A prática sadia da virtude não consiste em tornar-se lúgubre, contristado, repelindo os gozos nobres que as condições humanas oferecem, sem que sejam um incentivo à prática do mal.

No mundo, muitas pessoas religiosas costumam isolar-se do mundo exterior, vivendo em mosteiros, mortificando-se e produzindo dores e sofrimentos voluntários, acreditando que, com essa prática, se aproximam mais rapidamente de Deus. Puro engano, porque assim procedendo, estarão perdendo belas oportunidades de praticar o bem. Se Jesus, quando veio desempenhar o seu fulgurante Messiado, tivesse se fechado num retiro, não teria proporcionado à Humanidade a oportunidade ímpar de tomar conhecimento dos seus atos, e da maravilhosa Doutrina contida nas páginas do seu Evangelho.

De forma idêntica, "não se deve jamais imaginar que para viver em constante contato com o Mundo Maior, sob as vistas de Deus, seja necessário entregar-se ao cilício, às adorações exteriores ou mesmo cobrir de cinzas o corpo", como se fazia em remoto passado. Isso de nada aproveita ao Espírito que desfruta de um processo evolutivo. Aquele que pratica um ato mau, e arrepende-se sinceramente, sempre tem a oportunidade de novos começos, na pauta da lei da reencarnação, pois o Pai não quer que nenhum de seus filhos se perca.

O homem no mundo deve procurar pautar seus atos seguindo as normas trazidas por Jesus, lembrando sempre que a Lei Maior é: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo".

Bibliografia:

ESE, cap. XVII, item 10.

QUESTIONÁRIO

A) As FRAUDES ESPÍRITAS

1- O que é fraude?

2 - Como se classificam as fraudes?

3 - Como evitar a fraude?

4 - Por que as pessoas são enganadas em trabalhos que se dizem espíritas?

5 - Comumente as fraudes estão relacionadas a que tipos de fenômenos mediúnicos?

B) O HOMEM NO MUNDO

1- É correto o homem viver em isolamento? Comentar sucintamente.

2 - Como o homem atinge a perfeição?

3 - Em que consiste a prática sadia das virtudes?

4 - Por que Jesus simboliza um modelo para o homem?

5 - Explique sucintamente o que significa "O homem no mundo deve procurar pautar seus atos seguindo as normas trazidas por Jesus".

3 - Parte C - D.P.M. - DESENVOLVIMENTO PRÁTICO MEDIÚNICO

PSICOMETRIA

Psicometria ê a faculdade mediúnica que tem alguns médiuns de lerem impressões e recordações ao contato com objetos comuns que foram utilizados pelas pessoas.

Na psicometria o médium entra em contato com pessoas e acontecimentos tocando objetos relacionados com os mesmos.

Como é possivel isso? André Luiz em "Nos Domínios da Mediunidade", cap. XXVI, diz que "o pensamento espalha nossas próprias emanações em toda parte a que se projeta. Deixamos vestígios espirituais onde arremessamos os raios de nossa mente, assim como o animal deixa no próprio rastro o odor que lhe é característico, tornando-se, por esse motivo, facilmente abordável pela sensibilidade olfativa do cão.

Quando estamos libertados do corpo denso, aguçam-se-nos os sentidos e, em razão disso, podemos atender, sem dificuldade, a esses fenômenos, dentro da esfera em que se nos limitam as possibilidades evolutivas".

Os objetos conservam por algum tempo as formas-pensamentos daqueles que os tocaram.

Martins Peralva em "Estudando a Mediunidade", cap. XXXIX, diz que o "psicometra" pode entrar em relação com os fatos passados, de duas maneiras:

a) "uma parte dos fatos ou impressões é retirada da própria aura do objeto;

b) outra parte é recolhida da subconsciência do seu posssuidor, mediante relação telepática que o objeto "psicometrado" estabelece com o médium".

O treinamento da psicometria pode ser exercitada da seguinte maneira:

- Preparação de ambiente e dos médiuns.

- Tocar o objeto com as mãos, ou colocá-lo nas mãos, sem nenhuma intenção e verificar as impressões que chegam até a mente.

Os objetos que os monitores podem providenciar para a psicometria são:

- moeda de metal

- roupas

- objetos de uso pessoal (óculos, anel, carteira, relógio, caneta, colar, livro etc.)

O monitor ao final realizará a apuração das percepções recebidas.