SE PERSEVERAS, VENCERÁS

A luta é árdua no campo da vida. Inimigos sorrateiros nos espreitam e as ciladas estão à nossa frente: em cada passo que damos, em cada minuto que passa, em cada pulsar do nosso coração, pois em tudo o que vemos e sentimos, existe uma porta que está aberta para o precipício, para o abismo.

Então, dirás: a vida é uma urdidura maligna do destino com o único fim de nos perder! Mas assim não é. Tudo o que acabamos de figurar tão trágica e assustadoramente é o símbolo daquilo que, estando em nós tão integrado, não percebemos, e por isso mesmo vamos nos deixando arrastar para o abismo, sem nenhuma reação para evitarmos a queda fatal.

Os instintos, que se acham integrados no nosso sangue, pulsam com o nosso coração, entram na nossa respiração, pela lei da atração e da repulsão. Não nos podemos esquivar de dar e receber da mesma moeda, porque cada um recebe valor igual ao que deu.

Se ao sair o alento do peito, sai com ele amor, de volta trará ele esse mesmo amor, fortalecido pela união que faz a força. Assim agindo e pensando, não terás de recear os inimigos nem as ciladas, tampouco os precipícios, porque serás luz e a luz conquista as trevas.

Os inimigos e todo esse cortejo de acidentes desagradáveis a que estão sujeitos os homens imprevidentes, indiferentes ou irreverentes não existem para aqueles que crêem numa força inteligente e suprema e que se sabem parte dessa força. Nada receie aquele que sabe ver Deus nas menores e mais insignificantes coisas, como nas mais grandiosas.

Aquele que considera a lágrima e o sorriso como igualmente necessários à evolução, aquele que não se oculta nem foge à luta dos instintos e que os deseja sublimar sabe que esses instintos são a base da cruz ou a terra em que ela está plantada.

Essa cruz eleva-se para o alto, mas precisa penetrar na Terra para ir buscar matéria grosseira a ser utilizada para o serviço da evolução.

Não há, em verdade, nada ruim nem inferior e sim coisas em estado primitivo, que só pela boa vontade e perseverança do homem poderão vir a sublimar-se e subir ao centro da cruz no qual está a rosa para expandir-se em bênçãos de luz.

Persevera, pois, amigo irmão. Não te irrites com as irreverências. Não te desanimes quando, após lutares e julgares terminada a luta e conquistada a vitória, o inimigo surgir de novo - revestido de nova aparência e com armas diferentes - e contra ti investir com maior violência. Isso vem para provar que não se pode cessar a luta até a consumação dos séculos.

Sublimando um tipo de força, dominarás essa força. Porém, outras se apresentarão mais perigosas para que as conquistes, e assim, uma após outra surgirá em nossos caminhos. Não haveria progresso se a luta paralisasse. Seria o fim. E o fim não existe.

Os que já sabem que estão a serviço são justamente os que são chamados a atender incumbências pesadas e difíceis, pois muito se espera e se precisa desses servidores.

Para o leigo, para o materialista, essa dissertação é louca ou fantasiada demais. Mas a nossa finalidade não é falar às pedras mortas ... Dirigimo-nos aos irmãos que comungam conosco e conosco estão no afã de evoluir e de conquistar a vitória do espírito sobre a matéria para, em dias vindouros, podermos ser úteis realmente nessa imensa obra de regeneração ... Persevera, pois, e vencerás.

Cenyra Pinto